A visão de uma "não-católica" sobre o curso de noivos.

Apesar de ter sido católica e ter feito primeira comunhão, o catolicismo nunca foi "a minha religião". Eu sabia que se fosse casar na igreja teriam várias burocracias, entre elas o curso de noivos. Mas enquanto as outras burocracias me davam preguiça e vontade de desistir de casar, eu ficava animada quanto ao curso de noivos. 
Não fiz um curso de noivos de final de semana e nem para apenas cumprir requisito, eu fiz um curso muito diferente e muito legal. 


E a história começa agora:

Meus tios, um casal exemplo pra mim, coordenam o curso da Guadalupe há muitos anos. Sempre ouvia: Hoje o Jorge e Solange estão no encontro de noivos. Mas essa realidade era muito longe ainda, nem namorado eu tinha. E o tempo foi passando e fui ouvindo de pessoas que tinham feito o curso sobre como o curso era bacana. Pela convivência com meus tios fui admirando-os cada vez mais. E pensava como seria produtivo fazer um curso coordenado e ministrado por pessoas que eu vejo no dia-a-dia como um exemplo, e mais do que duas pessoas exemplares, eles são um casal exemplar pra mim. Muitas vezes duas pessoas exemplares não formam um casal exemplar, mas com eles é assim. Eles constituíram uma família linda, que tem seus problemas e seus defeitos, como todas, mas que tem pilares muito fortes. Eu decidi que não poderia fazer outro curso que não fosse o deles e que eu faria mesmo que não fosse casar na igreja.

Me inscrevi no curso. Seriam 2 meses, 8 encontros. (A maioria dos cursos duram apenas dois dias) Os encontros eram sempre as quartas-feiras durante a noite. E se faltasse teria que fazer reposição. Mas eu estava animada apesar de receosa, afinal, o curso era católico e eu seria um peixe fora d´água. 




No primeiro dia fomos muito bem recepcionados. Após a palestra fomos divididos em grupos menores em diferentes salas. Nosso grupo era bem heterogêneo, e eu já gostei disso. Adoro a diversidade.  E eu podia perceber que alguns casais tinham as mesmas dificuldades que nós. Percebi também que outros casais não tinham quase nada em comum conosco. 

Melhor do que as palestras e as discussões em sala eram os "deveres de casa". Todo encontro tem um dever diferente. 

Era muito bacana fazer as atividades com o noivo... Nós sempre conversamos muito, passamos por situações que muitos casais casados não passaram ainda, coisas da vida... Então, de certa maneira, já tínhamos discutido muitos assuntos que eram novos para a maioria dos casais que estavam ali. Outros assuntos nos surpreenderam, eram coisas que nunca havíamos imaginado conversar. 




Um exercício em particular me marcou. Nele tínhamos que dar nota (zero a dez) para cada frase. Era para fazermos separados e depois compararmos as respostas. Discordamos pouco, mas em algumas frases que eu tinha dado nota 8 ele tinha dado nota 2 e vice versa. Conversando percebemos que na verdade não era a nota que era diferente, mas a interpretação. Quando eu explicava o motivo de ter dado nota 8, ele dizia que se considerasse essa interpretação ele também daria a mesma nota. Então percebemos que não discordávamos, mas que tínhamos interpretado uma frase de maneira diferente. Isso foi MUITO legal!!!! E mudou minha maneira de ver as coisas, vi que antes de brigar por algo que o outro parece não concordar é melhor verificar se ele realmente está entendendo o que eu quero dizer. As vezes é apenas um mal entendido. 

Outros exercícios causaram alguns desconfortos e esses desconfortos foram importantes, pois eram assuntos que estavam sendo evitados e que precisavam ser conversados. 




As experiências de troca com os outros casais durante aqueles breves momentos na salinha eram muito interessantes. Percebi que para muitos casais aquele momento trazia luz, algumas pessoas que sentiam que só elas pensavam algo encontraram pessoas que também pensavam assim. Alguns casais eram muito engraçados. Foi legal ver como tínhamos pessoas que teoricamente eram parecidas e estavam buscando o mesmo fim pensando tão diferente e se respeitando de uma maneira tão bacana. 

Algumas coisas ignorei, ouvi por um ouvido e saiu pelo outro. Algumas coisas não gostei de ouvir e discordo veementemente que chega me entristece...  Eu não aprendi muitas coisas sobre a igreja, pois não era meu foco, apesar de que o curso é muito rico caso a pessoa queira aprofundar seus conhecimentos sobre a visão da igreja acerca do casamento. No meu caso eu foquei em aprender coisas sobre mim mesma, sobre o meu parceiro e nosso relacionamento.

Foram incríveis as reflexões que fizemos e as coisas que descobrimos durante o curso. 

Eu recomendo muito o curso de noivos da Guadalupe.
Ele acontece duas vezes por ano, geralmente em março e agosto. A agenda deles para 2015 já está fechada. Mas para quem quiser fazer em 2016 é uma ótima ideia. 

Quem quiser mais informações:
Paróquia Nossa Senhora de Guadalupe
Eqs 311/312 lt A, Brasília - DF, 70364-400
(61) 3245-2688


Se você perdeu o primeiro post "Casando na Igreja Católica", é só clicar aqui: http://www.casareiembrasilia.com.br/2015/07/casando-na-igreja-catolica.html


Outros posts da série CASAMENTO GUIM - é só clicar que abrirá em uma nova aba:

Quer saber sobre as exigências da igreja católica, o curso de noivos e muito mais?
Casando na igreja católica

Quer saber sobre o meu noivado? Então confira os seguintes posts:

Gostou dos meus posts? Veja mais dicas aqui: 


Publicidade:
Clique sobre a imagem e saiba tudo sobre o Casar Decor



Um comentário

Cíntia Souza disse...

Oi Patrícia, fizemos um curso junto com vocês e também achei muito válido. Muitas coisas também ignorei, pois acho que cada um tem sua percepção das coisas, mas valeu por aprender e também a reforçar coisas que acredito.
Solange e Jorge, além dos casais que nos deram as palestras, foram muito realistas e humanos. Mostraram que as dificuldades virão, e que mesmo após longos anos de casamento o ajuste não será completo. Os tijolinhos do casamento serão colocados dia a dia e essa construção nunca chegará ao fim.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...